Filósofo conta por que abriu um box de crossfit

O também publicitário  Fernando César enxergou na modalidade uma oportunidade de se tornar um empreendedor  

O carioca Fernando César, 30 anos, nunca imaginou que se daria bem em uma área totalmente diferente daquelas em que se formou: ele trocou a Filosofia e a Publicidade pelas academias e pela atividade física. “Sou o cara que não se destaca em nenhum esporte. Não jogo futebol, e durante muito tempo fui sedentário”, conta ele, hoje feliz com a carreira que o transformou em um empreendedor de sucesso.

A virada profissional começou a tomar forma em 2014, durante uma viagem para a Europa, quando ouviu falar do crossfit. De volta ao Brasil, concluiu a segunda faculdade (Publicidade e Propaganda), mas não conseguiu entrar no mercado. Desempregado, ele via a ideia de empreender mais atrativa a cada dia – só não sabia ainda em quê.

“Observando as pessoas que treinavam comigo, comecei a fazer contas e entendi que aí estaria um ótimo negócio”. Fernando César

O tempo livre fez Fernando procurar uma atividade para se distrair, enquanto continuava lendo livros sobre empreendedorismo, gestão e administração. Nessa época, um box de crossfit abriu na rua da sua casa. Matriculou-se com o intuito de melhorar a saúde e o bem-estar físico, e logo percebeu ali uma oportunidade.

Novo mundo de oportunidades

“Quando você entra no crossfit, descobre um universo que existe por trás, uma atividade que se torna algo maior”. Ele diz que mudou como aluno, ganhando vontade de investir em roupas apropriadas e em acessórios. “Observando as pessoas que treinavam comigo, comecei a fazer contas e entendi que aí estaria um ótimo negócio”.

“Quando começamos, não havia nem 20 boxes no Rio. Hoje, são mais de 100”.
Fernando César

Ele pediu dicas a seu coach, que indicou o atual sócio, o educador físico Cristiano Mattos. Em dezembro de 2015, os dois abriram a Flecha Crossfit, no Catete, Zona Sul do Rio de Janeiro. Nas semanas anteriores à inauguração, eles deixaram a porta aberta, literalmente, recebendo interessados enquanto ainda arrumavam os últimos detalhes. “A ideia era gerar curiosidade, para atrair alunos”, lembra. Deu certo. Também fizeram a divulgação por redes sociais e criaram promoções para as primeiras aulas. Hoje, a Flecha já conta com uma segunda unidade, no bairro de Vila Isabel.

Expansão do negócio

“Quando começamos, não havia nem 20 boxes no Rio. Hoje, são mais de 100”, lembra Fernando. Com tanta concorrência, como fazer para o negócio se destacar e continuar crescendo? A estratégia da dupla é apostar na fidelização dos alunos, oferecendo aulas extras gratuitas e criando um ambiente agradável, onde os praticantes se sentem acolhidos e estimulados a continuar treinando.

“Aprendemos a anotar cada pequeno gasto. Mesmo o café, que parece algo pequeno, tem que ser registrado”.
Fernando César

O principal desafio foi aprender a gerenciar as contas e o dinheiro que entrava. No início, Fernando fazia a planilha com as mensalidades de cada aluno. Com o tempo, começou a organizar tabelas para cada tipo de operação financeira: gastos, investimentos, recebimentos mensais. “Aprendemos a anotar cada pequeno gasto. Mesmo o café, que parece algo pequeno, tem que ser registrado”, aconselha.

Para quem, assim como o Fernando, muda de área ao empreender, é fundamental ter boas práticas de planejamento financeiro. Soluções como o QuickBooks , um sistema de gestão financeira, ajudam os empreendedores a terem visibilidade da saúde financeira, por meio de relatórios e também conta com alertas de datas de pagamentos e recebimentos.

Para Fernando, a publicidade e a filosofia ficaram só no currículo. “Eu não penso mais em trabalhar para alguém. Depois que o negócio caminha bem, você só pensa em empreender”, diz, já de olho em futuros projetos.