PR/GR/CONGRESSO/DAMARES/MULHER/EMPREENDEDORISMO

Atibaia, 31 out 2019 (Facesp/ACSP) – A ministra dos Direitos Humanos, Família e Mulheres, Damares Alves, marcou presença nesta quinta-feira (31/09), no 19º Congresso da FACESP, em Atibaia, durante o painel que tratou 'A importância da mulher na política'. O encontro foi organizado por Ana Claudia Badra Cotait, presidente do Conselho da Mulher Empreendedora e da Cultura (CMEC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e da Federação das Associações Comerciais do Estado (FACESP).

O empresário e engenheiro Alfredo Cotait Neto, presidente da Facesp e da ACSP, fez a abertura formal do painel. “Quero dar boas-vindas neste importante momento de confraternização do nosso congresso. É um dia de trabalho intenso, com discussões importantes. Agradecemos a presença de todos e da ministra Damares”, destacou.

Ana Claudia Badra Cotait, presidente do CMEC da ACSP e da Facesp, agradeceu a presença da Ministra Damares. “Muito obrigado por estar aqui conosco. Esse é um debate de grande relevância”, enfatiza.

Damares destacou que não avançaremos nas pautas se as mulheres do País não estiverem engajadas neste propósito. “Me disseram que a metade deste auditório é formado por mulheres e eu respondi: a outra metade são os filhos delas”, descontraiu a ministra na abertura.

Segundo Damares, o presidente Jair Bolsonaro não prometeu grandes obras, mas se comprometeu com a luta contra a violência, com o resgate de valores e com combate efetivo da corrupção. “Esse País estava mergulhado na corrupção. Ela é uma das responsáveis pela violação dos direitos humanos, que afeta garantias de futuro. A corrupção precisa ser banida do Brasil e estamos trabalhando nesta direção”, asseverou.

Na avaliação da ministra, nunca se falou tanto de Direitos Humanos no Brasil. “O maior dos direitos humanos é a defesa a vida. O Brasil é o quinto maior País do mundo que mata mulheres, mas temos uma legislação importante – temos a Lei Maria da Penha. Os números de violência contra mulheres são maiores do que se imaginam. Temos o desafio de proteger essas mulheres. Há agressões que não estão nos dados oficiais, além de preocupante, devem também ser levadas em conta pela sociedade”.

A solução para combater esses dados, segundo Damares, é abrir o diálogo e fortalecer os laços da família. “Precisamos criar condições de equilibro, trabalho e família. Essa é razão do Ministério da Família, nossa meta é criar políticas públicas que olhem para o fortalecimento dos laços familiares.”

Nunca a criança foi tão atacada no Brasil como hoje. “Ganhamos o título como um dos piores países da América do Sul para as meninas. Uma a cada três meninas poderá ser abusada sexualmente. O estupro de crianças tem crescido e defende-las é um dever não só da nação. É um dever de todos nós. Temos que fazer uma união de forças para resolver esse problema. É preciso colocar o coração nas políticas públicas para resolver esse impasse. Venham conosco. O Ministério de Direitos Humanos trabalhará diuturnamente para resolver esse problema”, conclamou a ministra.

Damares declarou que o governo será parceiro efetivo da iniciativa privada. “A economia está crescendo e dados também têm evoluído. Governo e empresários estarão em parceria neste propósito, voltados à retomada do desenvolvimento Brasil. Vamos mudar esse cenário unidos”, afirmou a ministra.

Ela recomendou ainda que é preciso rever políticas ligadas ao processo de seleção do Enem, que implica que estudantes se matricularem em universidades muitas vezes localizadas fora dos seus Estados. “Precisamos aprimorar e melhora esses processos. Rever políticas que melhorem oportunidades, a relação e a convivência com as famílias”, ponderou.

Uma iniciativa do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, segundo Damares, visa prevenir o suicídio e automutilação em todas em todas as faixas, especialmente crianças, adolescentes e jovens. “Esse assunto sempre foi tratado como tabu. Há estupros de bebê. Nós estamos diante de uma tragédia e teremos coragem de falar e combater isso. O nosso comprometimento é com a família e, com ajuda de todas as pessoas de bem. Precisamos melhorar essa nação. Vamos conseguir e o mundo ainda vai olhar para nós e dizer: eles conseguiram! O governo e os empresários unidos conseguirão mudar esse cenário e essa nação. Essa é a nossa grande batalha”, finalizou Damares.

(Patrícia Gomes Baptista, Assessoria de Imprensa Facesp e ACSP, pgbaptista@acsp.com.br, (11) 3180-3220)

 
 

 

 

Por Assessoria de Imprensa ACSP

Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão. Todos os direitos reservados.

Share on Twitter Share on Facebook