Entenda o impacto da inovação aberta nas organizações financeiras

janeiro 31, 2022

Por Tecban

Dentre muitas possibilidades, a Inovação pode representar o pioneirismo, a sobrevivência, a expansão de um negócio ou o aumento de market share. Sair na frente é um desafio para as empresas, que têm buscado ideias novas, além dos próprios muros para criar produtos, soluções ou novos serviços.
Antenada a esse cenário, a TecBan investe na inovação aberta como um caminho para captar ideias e tecnologias para processos internos e prover novas soluções inovadoras para parceiros e usuários finais
Na empresa, o processo e estímulo a inovação acontece dentro de cada área e por meio de diversos programas, que envolvem desde funcionários a parceiros, startups e universidades. Com isso, abre-se espaço para manter a liderança e revolucionar o mercado.
Um exemplo é o programa de intraempreendedorismo chamado Acelera TecBan. A iniciativa premia, anualmente, ideias que partem dos próprios colaboradores. Mas há também os desafios de inovação lançados ao mercado de startups.
O mesmo ocorre no relacionamento com startups e parceiros de diversos ecossistemas, como no Habitat, Cubo, Abstartups, ABO2O Associação Brasileira Online to Offline e algumas universidades como FIAP e Anhembi Morumbi.
“Devido a nossa atuação, pelo segundo ano consecutivo fomos premiados pelo inovaBra Habitat na categoria corporate, sendo uma das empresas que mais colabora com o ecossistema de inovação do Bradesco”, destaca Marcos Pedroso, gerente de Parcerias e Plataformas Abertas na TecBan.

Benefícios

Na prática., a inovação aberta se mostra capaz de trazer redução de custos, aumento de eficiência, diminuição de riscos inerentes ao processo de inovação e aceleração no processo de time-to-market. Além disso, facilita buscar novas fontes de renda, criar produtos, serviços e muito mais.
Os resultados da aposta no open innovations surgem em lançamentos e soluções representativas para a empresa, mas que também afetam o mercado como um todo. Entre elas está o Mídia Banco24Horas, solução que transformou os caixas eletrônicos em pontos de mídia digital out of home e permite que marcas falem com os brasileiros com a mesma consistência, capilaridade e personalização do Banco24Horas.
Aproveitando o potencial de alcance e alto fluxo já estabelecido nos caixas eletrônicos e, com isso, extrapolando a cobertura da mídia OOH tradicional, projeto já nasceu 100% digital, com presença em mais de 100 cidades e com métricas auditadas. O Mídia Banco24Horas se tornou uma unidade de negócio da companhia que, em pouco mais de um ano de operação, já tem 3,5% de market share.

Mais resultados

Em 2019, a companhia implementou o chatbot Téo, o qual realiza parte do atendimento aos clientes do Banco24Horas. A solução foi implementada em conjunto pelo time de tecnologia da TecBan e a startup Inbot.
“Temos utilizado startups e parceiros, principalmente as pesquisas de mercado, pesquisas com clientes e na busca de soluções para eficiência no backoffice”, explica Marcos.
Outra iniciativa criada a partir da inovação aberta foi estudar formas de aumentar a capilaridade do Banco24Horas, para permitir aos clientes das instituições parceiras sacarem no caixa de estabelecimentos comerciais credenciados sem um caixa eletrônico.
Para isso, houve o envolvimento das startups e parceiros do Habitat: Anntenas, MarketUp, 2CX, Foursys e Sebrae. “Fomos conhecer as dores dos lojistas para desenvolver uma facilidade no atendimento aos clientes que desejarem realizar saques diretamente em lojistas sem a necessidade de um caixa eletrônico”, diz Pedroso.
O Open Banking também é outro segmento em que a inovação aberta tem acrescentado. A TecBan acompanha o movimento de discussão e implementação do novo sistema ao redor do mundo desde 2016.
A empresa participou de todo o processo regulatório no Brasil. E, em parceria com a Ozone, uma fintech britânica responsável pela implementação do Open Banking no Reino Unido, desenvolveu uma solução de Open Banking tropicalizada que atende todo o mercado, se tornando a primeira a ter uma plataforma em operação no Brasil e viabilizando também que a TecBan tenha lançado ao mercado a primeira plataforma de Open Insurance capaz de aproveitar dados também do Open Banking.
Em outro projeto de Open Banking, a Klavi, fintech especializada em inteligência e processamento de dados financeiros, uniu-se a plataforma de Open Banking as a Service da TecBan para impulsionar o ecossistema de finanças abertas no Brasil.
Pensando em Impacto Social, em 2021 foi criado o primeiro livro digital gratuito sobre educação financeira para crianças. O Banco24Horas e a edtech Dentro da História desenvolveram juntas a iniciativa “Educação Financeira: Dinheiro além do papel”, que detalha a função da família na educação financeira das crianças desde a primeira infância e apresenta as melhores abordagens e atividades para estimular a autonomia financeira a partir dos três anos.
“A aproximação com a edTech Dentro da História trouxe a oportunidade de uma visão diferente de como abordar a educação financeira, abrindo portas para que esse tema seja inserido na família de forma divertida”, comenta Pedroso.

Novidades em números

O HubDigital, criado pela TecBan para acelerar a integração de fintechs, bancos digitais e sociais ao Banco24Horas, completou dois anos de lançamento. No período, a plataforma registrou mais de 18,5 milhões de transações, sendo 4,6 milhões de saques que movimentaram mais de R$ 5,5 bilhões.
O Saque Digital também entra na lista de inovações. Com ele, basta um QR Code no celular ou token enviado por mensagem para sacar dinheiro nos mais de 24 mil caixas eletrônicos do Banco24Horas no País. Esses serviços foram utilizados também por diversos agentes financeiros para saques de auxílios e benefícios sociais, possibilitando que as pessoas pudessem sacar sem a necessidade de aguardar a entrega de cartões físicos.
O serviço está disponível para mais de 100 instituições financeiras, incluindo fintechs e bancos digitais. A operação acumula mais de 18,6 milhões de transações com R$ 5,2 bilhões de volume sacado.
Incorporação de novas transações no Banco24Horas também foi possível a partir de novas soluções. Com isso, os equipamentos oferecem atualmente mais de 90 possibilidades de transações.
O diferencial é considerado um case mundial. Isso porque, em outros países, os caixas eletrônicos são limitados às transações tradicionais de saque e depósito, por exemplo.
“No nosso caso, temos desenvolvido soluções para incorporar novas funções e transformar cada vez mais o caixa eletrônico em um ponto de relacionamento entre as instituições – não só financeiras – e os clientes”, acrescenta Pedroso.

Redução de custos

A TecBan planeja ainda aumentar eficiência da circulação do dinheiro com mais caixas eletrônicos recicladores. Nos últimos dois anos, foram investidos R$ 500 milhões em soluções voltadas para essa solução e ao projeto +Varejo Banco24Horas, direcionado para comerciantes que buscam reduzir custos operacionais com a gestão do dinheiro em espécie.
A solução permite que o lojista faça depósito em numerário no mesmo caixa eletrônico destinado ao público. Com isso, aumenta a eficiência da circulação do papel moeda. Afinal, os recursos depositados pelo varejista, sem envelope, já podem ser sacados pelo próximo cliente que usar o equipamento.
“Isso acelera o fluxo e a disponibilidade do dinheiro, fortalecendo a economia local, já que o dinheiro volta para o consumo mais rapidamente e na mesma região”, esclarece o gerente de Parcerias e Plataformas Abertas da TecBan.
Só no último ano, foram R$ 13 bilhões depositados na solução +Varejo Banco24Horas, que conta com 2.700 caixas eletrônicos, mais que o dobro do que tinha em 2019. Sem contar que, ao fazer os depósitos no Banco24Horas, os valores ficam sob responsabilidade da TecBan.
Isso garante mais segurança para os estabelecimentos, reduz custos logísticos e acelera o abastecimento para os clientes sacarem. Dessa forma, gera uma economia para o sistema financeiro, beneficiando todo o ecossistema econômico.
Uma outra característica importante do +Varejo Banco24Horas é a autonomia que a solução permite para o varejista escolher o banco depositante, permitindo todos os perfis de instituição: grandes, médios, pequenos bancos ou fintechs.
A TecBan ampliará o +Varejo Banco24Horas, estendendo a solução inclusive para as pessoas físicas, por meio de parcerias com as instituições financeiras. Aliás, isso aconteceu recentemente como Banco do Brasil, que passou a oferecer a função de depósito aos seus clientes.
“Com a inovação, criamos negócios, geramos mais eficiência e somos líderes de mercado mundial em volume de saque e a 3ª maior rede independente em quantidade de caixas eletrônicos. A posição de liderança nos impulsiona a criar e desenvolver cada vez mais inovação dentro do nosso proposto de integrar o físico e o digital”.

Mais parcerias

A adoção da inovação aberta não foi uma iniciativa de momento na TecBan, que funciona como facilitadora, tanto para consumidores quanto para outros agentes do mercado. Com essa política de atuação, colaborar e fazer parcerias não foi uma mudança disruptiva no modelo de negócios, informa Pedroso.
“Participamos de ecossistemas de inovação e colaboração, com o intuito, não apenas de melhorar nossa própria atuação, mas de apoiar o mercado a fazer o mesmo. Já são alguns anos avançando neste propósito”.
Para a empresa, esse modelo de negócios atende dois objetivos estratégicos: o fortalecimento do core business, com oportunidades para transformação da cadeia de valor, e a busca de novos negócios para a realização da distribuição de produtos e serviços por meio da ampla capilaridade da companhia.
“Mais do que trabalhar com o conceito de inovação aberta em nosso dia a dia, julgamos importante incentivar o mercado a fazer o mesmo. Temos como estratégia incentivar o desenvolvimento de tecnologia e inovação em toda a cadeia produtiva, desde os fornecedores até o consumidor final”.
Em 2021, por exemplo, a empresa organizou um programa de inovação aberta direcionado a startups das áreas de Open Finance, Criptomoedas e Inteligência Artificial aplicada a RPA (Robotic Process Automation).
A plataforma para lançamento dos desafios é da AEVO, a qual permitirá criar um ecossistema de parcerias para atendimento das necessidades internas e na descoberta de novos mercados.
“Participamos de ecossistemas de inovação aberta, desenvolvemos produtos que têm como objetivo incluir fintechs e startups dentro de nossa infraestrutura no Banco24Horas – como é o caso do HubDigital. Estamos em contato constante com players do mercado e incentivamos a prática dentro de casa, com nossos colaboradores”, detalha Pedroso.
Atualmente, a estratégia de inovação se desdobra em um programa denominados Crie e Compartilhe. O objetivo é identificar novos mercados e soluções, além de inovar com metodologia e buscar ser cada vez mais eficiente no business vigente.
Só em 2021, foram mais de 105 ideias inscritas. Do total, 30 receberam mentorias, 15 chegaram até a etapa de prototipação e 9 na fase de experimentação. A expectativa é gerar uma economia de mais de R$ 3 milhões com as iniciativas de inovação incremental nas diversas áreas.
“Além de comunicar esse programa da maneira mais eficiente possível internamente, tínhamos o desafio de ajudar nossos colaboradores a conseguirem transformar a estratégia em ações práticas. Por isso criamos o Acelera TecBan, nosso programa de empreendedorismo interno e importante ferramenta na execução da estratégia de inovação e de transformação da nossa cultura”, finaliza o gerente de Parcerias e Plataformas Abertas na TecBan, Marcos Pedroso.

 

Share on Twitter Share on Facebook