Pesquisa comprova a importância de ações sociais durante a pandemia

por
fevereiro 25, 2022

Por Agência 99

A crise no território brasileiro durante a pandemia do coronavírus tem entre seus elementos a inflação acima dos dois dígitos e a desigualdade social, assim como o desemprego, a queda no rendimento das famílias, entre outros fatores. Por conta disso, faz-se necessário buscar alternativas que consigam, ao menos, minimizar esses efeitos.
Em conjunto com o auxílio emergencial, as ações sociais desempenham um importante papel durante esse período conturbado. São iniciativas que oferecem o suporte necessário enquanto a situação não melhora.
Uma pesquisa inédita da 99 em parceria com o Núcleo de Pesquisa em Filantropia da Fundação José Luiz Egydio Setúbal (FJLES) constatou a importância de ações sociais em meio à crise sanitária e econômica mundial causada pela pandemia. Além disso, demonstra como o setor privado pode e deve ser atuante para levar mais acesso e segurança para a população em situação vulnerável.
De acordo com o levantamento, 98% dos passageiros beneficiados com as ações avaliaram as iniciativas como “muito boas” ou “boas”. Por sua vez, 89% consideraram como “muito positivo” ou “positivo” o impacto causado pela 99 no dia a dia. Os números também são favoráveis entre os motoristas, com 89% e 86%, respectivamente.
Outro dado importante da pesquisa demonstra que 44% dos passageiros e 42% dos motoristas acreditam que a 99 e outras companhias do setor “contribuem totalmente” para a sociedade, levando segurança e economia.

Análise

Os números refletem o impacto positivo causado por ações como a doação de vouchers, garantindo uma renda maior aos motoristas e promovendo mais segurança aos passageiros.
“Não resta dúvida que as ações de ajuda são bem avaliadas. A população reconhece que as iniciativas são importantes, causando grande impacto tanto para a empresa quanto para a população”, destaca Marcos Paulo de Lucca Silveira, coordenador do Núcleo de Pesquisa em Filantropia da FJLES.
De acordo com o pesquisador, os números demonstram o papel fundamental das empresas na sociedade contemporânea. Por conta disso, companhias precisam buscar de alguma forma ocupar espaços e atuar em parceria com agentes públicos e privados no auxílio das pessoas em pior situação.
“A grande questão hoje da responsabilidade social é saber que ela tem que ser realizada por um conjunto de atores. O estado tem sua função, as empresas têm sua função, as organizações da sociedade civil também têm funções claras para desempenhar em busca de uma sociedade mais justa”, completa.

Iniciativas

Até mesmo por conta do compromisso social, a transparência nas iniciativas também faz parte deste contexto. Afinal, são essas informações que contribuem na união de forças entre os diferentes atores envolvidos, permitindo alavancar novas medidas necessárias para a construção de uma sociedade mais igualitária.
A 99, por exemplo, divulgou recentemente o balanço de ações realizadas em quase 2 anos para minimizar os impactos negativos gerados na sociedade por conta da pandemia do coronavírus.
Para priorizar a saúde e segurança dos parceiros e dos usuários, a empresa disponibilizou U$S 10 milhões para iniciativas contra a Covid-19 por meio do fundo internacional da DiDi – companhia global da qual a empresa de tecnologia faz parte.
Entre as ações estão:
● Fundo de apoio financeiro a motoristas e entregadores parceiros diagnosticados com a doença;
● Pacote de Segurança que contempla sanitização dos carros, distribuição de 550 mil máscaras e álcool em gel e instalação de escudos de proteção (barreiras em acrílico que separam motorista e passageiro dentro do carro);
● Ferramenta de inteligência artificial para identificar o uso de máscara pelos motoristas;
● Comunicação sobre prevenção, orientações e informações sobre a doença, com a participação de especialistas;
● Parceria com o Sírio Libanês para estabelecer protocolos de segurança, validados com selo de segurança ABNT.
Além disso, para levar a maior contribuição possível para os parceiros, a 99 doou 4 milhões de corridas destinadas ao transporte de profissionais da saúde na linha de frente do combate ao vírus, com 100% dos ganhos repassados a motoristas parceiros. O montante também foi usado para apoiar outros deslocamentos afetados pela pandemia, como:
● Transporte de mães puérperas e seus recém-nascidos de volta pra casa com segurança;
● Distribuição de remédios para idosos;
● Subsídio de corridas para ir e voltar de hemocentros para doação de sangue;
Já em 2021, a 99 seguiu apoiando as necessidades locais de combate à pandemia, com foco nas campanhas de vacinação. Foram R$ 4 milhões destinados a governos municipais, resultando em 340 mil corridas para que as pessoas – muitas em situação de vulnerabilidade social – conseguissem ir e voltar dos centros de vacinação em segurança.
“Claramente as empresas precisam se engajar em ações sociais se nós queremos avançar em direção de uma sociedade mais justa”, finaliza Marcos Paulo de Lucca Silveira.

Share on Twitter Share on Facebook