Mulheres lutam para superar as barreiras no empreendedorismo

por
novembro 3, 2021

Por Agência 99

“Passei o primeiro ano empreendendo chorando. E cá estou a caminho da maternidade. Não com um, mas com dois bebês na barriga! Com cada dia mais garra e vontade de fazer meu negócio crescer e prosperar para poder empregar mais pessoas e prover um bom futuro aos meus pequenos. Aliás, com uma equipe 70% composta por mulheres incríveis”.
O relato é forte e necessário. Mayara Côrrea é uma empreendedora com uma história semelhante à de diversas mulheres que decidiram assumir as rédeas de suas vidas a partir do próprio negócio. Hoje, ela é proprietária de uma consultoria e gestão em projetos. A missão dela não é só gerar renda e emprego para outras mulheres, mas também promover independência e propósito de vida.
Conquistar esses objetivos, porém, não é tarefa fácil. Isso porque, além dos tradicionais obstáculos enfrentados pelos empreendedores brasileiros, as mulheres também encontram outras barreiras durante o percurso.
Entre os desafios, problemas relacionados com a falta de acessibilidade, com cidades e oportunidades projetadas para recepcionar os homens. Só para ter uma ideia, dados da pesquisa do Instituto Locomotiva demonstram que 97% das entrevistadas alegam ter sofrido algum tipo de assédio.
Para tentar mudar esse cenário e promover a verdadeira igualdade, ações são necessárias. É o caso da campanha “Por Cidades Mais Femininas”, promovida pela 99, empresa de tecnologia voltada à mobilidade urbana.
A iniciativa, que faz parte do projeto “99 Mais Mulheres” que desde 2019 promove ações para ofertar mais segurança e liberdade à passageiras e motoristas parceiras da 99, traz reflexões sobre pertencimento, segurança e autonomia do público feminino nas cidades brasileiras.
A estratégia geolocalizada tanto em mobiliário urbano quanto digital é desenvolvida por meio de mensagens em totens espalhados em ruas, praças, estações e monumentos, com o intuito de promover a reflexão de como as mulheres não ocupam esses espaços públicos.
“A 99 tem consciência que, na grande maioria, as cidades foram feitas por e para homens. Por isso está incentivando a reflexão pela construção de cidades mais femininas, oferecendo um ambiente mais favorável e mais seguro para as mulheres”, explica Juliana Biasi, diretora de Marketing da empresa.
De acordo com ela, esse debate é crucial para incentivar o fortalecimento de redes de apoio, essenciais para combater situações enfrentadas diariamente por mulheres. “Reforçando que todas têm o direito à acessibilidade de ações empreendedoras, à mobilidade segura para trabalhar e se divertir, sejam elas passageiras, motoristas parceiras, funcionárias da 99 ou empresárias, cujas empresas são parceiras da 99”.

Caminhada

Para inspirar outras mulheres, vamos conhecer um pouco mais sobre a história de Mayara Côrrea. Filha única, ela é formada em administração de empresas com MBA em Finanças/Auditoria. Conheceu o marido em 2016, a pessoa que mais a incentivou a empreender.
“Me demiti de um emprego bom, com cargo de gerência em uma multinacional ainda sem saber o que queria fazer. Por isso, fiz processo de coaching para traçar um objetivo e abri duas empresas em paralelo”, conta.
Segundo ela, o processo de transitar de CLT para CNPJ trouxe muitos questionamentos. “Chorava todos os dias por não saber se estava na direção certa”. Durante o caminho, o MVP (produto mínimo viável) com 500 unidades que criou, deu lucro. No entanto, não era isso que a fazia levantar todos os dias da cama feliz.
“Em paralelo, abri uma empresa de consultoria, área que trabalhei a vida toda nas empresas pelas quais passei. É o que conheço e amo, o que me faz sentir importante, ajudando de verdade pessoas e empresas a serem melhores”, observa.
Apesar da experiência e da decisão sobre qual caminho seguir, a trajetória ainda exigia muito trabalho, dedicação e persistência. “Demorei praticamente seis meses para fechar meu primeiro cliente. Logo após, veio o segundo e assim sucessivamente. Atualmente, Mayara Corrêa tem uma equipe formada por 13 profissionais, entre consultores sêniores e PMO (project management office). O escritório foi inaugurado em 13 de setembro, a realização de um sonho.

Dicas

Durante esse processo de transformação, a empresária precisou adquirir novas habilidades. “Tive que aprender a me tornar comercial e passar credibilidade para vender serviços de consultoria com 31 anos. Não é fácil em uma sociedade que está acostumada com consultores de cabelos brancos”.
Para quem busca seguir o mesmo caminho, Mayara Corrêa apresenta algumas dicas. “Se manter perseverante e acreditar que vai dar certo, mesmo sem um chefe ou direcionador te lembrando disso ou te dando feedbacks. O começo é solitário e intangível, até começar a ter sua própria equipe”, conta.
Em alguns casos, a confiança no projeto exigirá até mesmo sacrifícios financeiros. “Vendi meu carro no final de 2018 para bancar minha aventura empreendedora, até começar a ter lucros, algo que demorou mais do que eu imaginei”, diz.
Para superar os percalços nessa estrada, a empresária conta como conseguiu garantir o deslocamento necessário. “No começo da empresa, ainda fora da pandemia, eu visitava muitos clientes para reuniões comerciais, entregas e acompanhamento de projetos. A 99 foi minha parceira número um e infalível. Me levou a todos os clientes, reuniões furadas e bem-sucedidas”.
A empreendedora lembra com carinho também de uma outra situação, quando passou mal e precisou do transporte da 99. Foi nesse episódio que ela soube que enfrentaria mais um desafio. “Descobri um beta HCG positivo e minha vida mudou por completo”.

Parceria

Mayara Corrêa conseguiu comprar novamente um carro. Entretanto, ainda usa profissionalmente o transporte por aplicativo. “Utilizo a 99 frequentemente para entregas de notebooks aos novos consultores, para que eles possam ir aos clientes sem precisar desembolsar com o faturamento direto pela 99Empresas e para os dias de rodízio que preciso sair de casa por qualquer razão”.
A plataforma 99Empresas oferece um serviço completo para fazer a gestão do transporte corporativo, como criar e controlar regras de uso, exportar relatórios, cadastrar colaboradores, habilitar as categorias dentro das necessidades do negócio, solicitar corridas direto pelo computador e muito mais.
Dessa forma, é possível proporcionar mais praticidade e segurança aos colaboradores e a empresa. Pesquisas mostram que este serviço pode gerar economia de até 35% em comparação a frota própria. Outro ponto importante: tudo é feito a partir do voucher corporativo habilitado para os colaboradores cadastrados. Com isso, eles não precisam reembolsar nenhum centavo.
Dentro do programa, existem todas as categorias disponíveis, exceto a 99Compartilha. Ou seja: 99Pop, 99Táxi, 99Top, 99Comfort, 99Poupa e 99Entrega.

Apoio

No processo para garantir a acessibilidade, a segurança também exige uma atenção especial. Nesse campo, a 99 investiu em tecnologias inovadoras, que utilizam Inteligência Artificial (IA): Pítia e Atena. São agentes que identificam passageiras mulheres em situação de risco enquanto buscam motoristas. Com isso, as soluções direcionam parceiras mulheres ou parceiros bem avaliados pela comunidade em socorro.
Já para as motoristas parceiras, que hoje representam 5% da base de condutores da plataforma, a empresa lançou o 99Mulher. A ferramenta permite receber chamadas apenas de passageiras, que formam cerca de 60% da base de usuários da empresa.
A ferramenta auxilia também vítimas de violência doméstica. Para isso, subsidia corridas com o destino à Delegacia da Mulher. Em pouco mais de um ano foram mais de 20 mil viagens doadas para essa finalidade. A ação faz parte de uma parceria com o projeto Justiceiras, uma força tarefa que orienta e trabalha para retirar mulheres em situação de risco de violência dentro de casa.
Disponível desde março, um botão de denúncia no próprio app facilita o acesso ao acolhimento das Justiceiras, de forma online e gratuita. A parceria registrou até o mês de setembro mil pedidos de apoio via 99.

Share on Twitter Share on Facebook