Após perder o emprego, motorista muda de vida trabalhando com transporte por app

por
novembro 29, 2021

Por Agência 99

Com mais de 13 milhões de desempregados, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e uma inflação na casa dos dois dígitos, manter as contas em dia no Brasil torna-se uma atividade cada vez mais difícil.
Em momentos assim, costumamos trabalhar com ainda mais empenho e ficamos atentos, pois as crises também geram oportunidades.
É a história de Marco Antônio de Almeida, de 53 anos, morador de Cachoeirinha, no Rio Grande do Sul. Há três anos, ele entrou para a estatística do desemprego. Com isso, decidiu se tornar motorista parceiro da 99. De lá pra cá, além de pagar as contas, conseguiu investir em seu desenvolvimento pessoal.

Empreendedorismo

Almeida iniciou na nova profissão com um carro alugado. Menos de um ano antes da quarentena ser implementada, porém, ele usou as economias e investiu em um veículo próprio.
Atualmente, além de continuar trabalhando com o transporte por aplicativo, ele se tornou um Microempreendedor Individual. Com isso, divide o tempo entre a 99 e a segunda atividade. “Embora o app ainda seja minha principal fonte de renda, percebi que, com a crise se instalando e os aumentos sucessivos dos combustíveis, era hora de investir mais”, explica.
Um estudo desenvolvido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) demonstra a dimensão do trabalho por aplicativo. De acordo com o levantamento, mais de 331 mil postos de trabalho foram gerados de forma direta e indireta no Brasil, resultando em um acréscimo de R$ 15,1 bilhões à economia nacional, por meio da 99. Os números foram registrados ao longo de 2020 em um dos momentos mais difíceis do País devido à pandemia da Covid-19.
Segundo o levantamento, as 331 mil oportunidades em solo brasileiro surgiram a partir dos hábitos de consumo e da atividade econômica dos motoristas que usam a 99 para gerar renda.

Negócio em família

Almeida aproveitou as oportunidades e ainda compartilhou com o filho, que também aderiu ao transporte por aplicativo. “Trabalho pela manhã. Consigo almoçar em casa e depois retomo o trabalho à tarde”, destaca.
Para complementar os ganhos mensais, o motorista também aproveita outra oportunidade no setor de transporte: faz entregas para uma rede de supermercados.
Com essas três fontes de renda interligadas, Almeida se estruturou. O MEI contribui para a aposentadoria, ajudando no planejamento financeiro. Por sua vez, as atividades extras geram os recursos necessários para a manutenção do carro, convertido para funcionar a gás.
Dessa forma, o dinheiro como motorista por aplicativo fica todo à disposição para Almeida pagar as contas do mês e também economizar. “Em uma manhã, chego a fazer R$100 livres”, explica.

Impactos

O estudo da Fipe a pedido da 99 aponta que a região brasileira com mais oportunidades de trabalho é a Sudeste, com 190 mil vagas espalhadas pelos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo.
Em seguida está a região Sul, com 45,9 mil postos no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, onde Almeida mora. No Nordeste, outras 44,1 mil, distribuídas em nove estados. Completam a lista a região Norte, com 26 mil vagas, e Centro-Oeste, com 24 mil. Por ter uma oferta diversificada de produtos, a 99 ajuda a minimizar os efeitos de grandes crises.

Share on Twitter Share on Facebook