Consumidor de imóveis demanda espaços mais flexíveis e mais inteligentes

Giovanni Cordeiro, gerente de research da Deloitte, e Luiz Antonio França, presidente da Abrainc, apresentam as principais tendências identificadas pelo estudo Comportamento do Consumidor de Imóveis em 2040

Compartilhe

24 de outubro de 2019

Na sociedade da era digital, os espaços urbanos estão mais diversificados, a economia segue por caminhos novos, o compartilhamento casa-trabalho ganha espaço e a configuração das famílias é mais diferente e plural.

Por esses motivos, muda também o comportamento do consumidor de imóveis. Entre as tendências detectadas pelo estudo Comportamento do Consumidor de Imóveis em 2040, da Deloitte e da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), a flexibilidade é a palavra de ordem: novas e diversificadas formas de oferta, o crescimento do aluguel e do compartilhamento de espaços comuns, como cozinhas e lavanderias, além da forte valorização do espaço urbano.

No caminho para atender esse consumidor do futuro, e atentas aos movimentos de transformação, as empresas do setor de incorporação vêm personalizando ao máximo suas ofertas, de modo a assegurar opções para os diversos tipos de consumidores. Nesse sentido, é bastante importante o uso da análise de dados para o planejamento dos empreendimentos e para atender melhor às necessidades dos moradores, que demandam espaços mais inteligentes, sem abrir mão da privacidade.

“O estudo apontou diversos indicadores que irão criar esse cenário até 2040: o poder de compra, hoje menor do que o das famílias das décadas de 70 e 80 por questões de formato e crescimento econômico, no Brasil e no mundo”, aponta Giovanni Cordeiro, gerente de research da Deloitte, em debate na TV Estadão. “Temos ainda uma demanda crescente por espaços nos grandes centros urbanos, encarecendo o preço do metro quadrado nesses lugares. E hoje o aspecto demográfico é diferente, as famílias têm menos filhos, um em cada três casamentos termina em divórcio, além da idade média da população ser bem maior”.

Para Luiz Antonio França, presidente da Abrainc, a pesquisa foi clara em apontar que as pessoas não moram em imóveis menores – a área média dos lançamentos na capital paulista, hoje, é de 54 m² – apenas por questão de gosto, mas sim de orçamento. “Aí temos a contrapartida, que é fazer um imóvel menor, adequado e confortável, com facilidades importantes”. Nesse sentido, o mercado tem obtido muito sucesso, segundo ele, em aliar altíssimo planejamento a opções interessantes, oferecendo a personalização que o consumidor tanto precisa. Assista ao debate completo!