O que é Linfoma de Hodgkin – Página: 2 – Conscientização sobre o câncer

O que é Linfoma de Hodgkin

Conheça este câncer raro que atinge principalmente os jovens e tem altos índices de cura¹

Muitas pessoas sentem, em algum momento da vida, um pequeno caroço no pescoço, numa axila ou na virilha. Trata-se de uma íngua – ou o inchaço de um gânglio linfático. Na maioria das vezes, o motivo são infecções corriqueiras. Mas esse também pode ser um dos sintomas do linfoma de Hodgkin, um tipo de câncer frequentemente diagnosticado em pessoas entre os 15 e os 35 anos¹.

É preciso procurar o médico imediatamente se o caroço persistir por várias semanas e vier acompanhado dos outros sintomas característicos da doença, como febre, transpiração excessiva durante o sono, coceira pelo corpo, e perda de peso muito rápida e sem motivo¹. A boa notícia é que esse é um dos tipos de câncer com mais alto índice de cura, principalmente quando diagnosticado precocemente¹.

entenda a doença

+ + +

Entenda um pouco mais

Navegue entre as sessões

  • Os principais sintomas¹

  • Grupos mais suscetíveis¹

  • Formas de identificação da doença¹

  • Tratamento¹

Os principais sintomas¹

  • Inchaço em gânglios do pescoço, das axilas ou da virilha.
  • Cansaço persistente.
  • Coceira intensa.
  • Febre e calafrio.
  • Suor à noite.
  • Perda de peso e apetite.
  • Aumento da sensibilidade aos efeitos do álcool ou dor nos gânglios linfáticos após o consumo alcoólico.

Grupos mais suscetíveis¹

A ciência não conhece a causa do linfoma de Hodgkin e não há recomendações para prevenir a doença. Sabe-se, no entanto, que o risco é maior em alguns grupos¹:


  • Idade – É mais frequente entre 15 e 30 anos, e tem um segundo pico, menor, em pessoas acima de 55 anos.
  • Sexo – Embora atinja ambos os gêneros, a incidência é um pouco maior entre os homens.
  • Histórico familiar – As estatísticas mostram pequena elevação no risco em pessoas que possuem histórico familiar da doença.
  • Infecção pelo vírus Epstein-Barr – A probabilidade também aumenta em indivíduos que já tiveram doença causada pelo vírus Epstein-Barr, como a mononucleose infecciosa.

Formas de identificação da doença¹

O diagnóstico envolve uma série de exames. Os principais são¹:


  • Exame físico – Palpando o paciente, o médico identifica sinais como a presença de gânglios linfáticos aumentados no pescoço, nas axilas ou nas virilhas, e baço ou fígado inchados.
  • Exames de sangue – Avaliam diferentes parâmetros que indicam a possibilidade de câncer.
  • Exames de imagem – Buscam sinais da doença em diferentes áreas do corpo. Exemplos: tomografia, PET-SCAN.
  • Biópsia – Um linfonodo afetado, ou parte dele, é retirado ou aspirado e analisado em laboratório.

Tratamento¹

O linfoma de Hodgkin é um dos tipos de câncer com maiores chances de cura, atingindo percentuais de até 90%, se a doença for diagnosticada no início¹. O tratamento varia conforme o estágio da doença, podendo empregar os seguintes recursos:


  • Quimioterapia – Administrada por via venosa, tem o objetivo de destruir as células cancerígenas¹.
  • Radioterapia – Emite raios com alto teor de energia na direção da área afetada, destruindo ou interrompendo o crescimento dessas células¹.
  • Transplante de células-tronco – Indicado para pessoas que não respondem aos tratamentos iniciais ou sofrem recaída. Consiste em retirar células-tronco do paciente, congelá-las, e simultaneamente submetê-lo a uma quimioterapia bem mais intensa. Em seguida, as células-tronco são injetadas de volta para restabelecer o sistema imunológico¹.

Se o paciente não for curado com o transplante autólogo de células tronco, existem outros medicamentos que podem ser utilizados nestas fases mais tardias de tratamento e por fim, existe a possibilidade de realização de um transplante alogênico, células tronco originadas de um doador sadio¹.

Refêrencias

Comentários