Parceria com pequenos negócios incentiva mulheres a empreender

Com pouco mais de um ano, marca de lingeries conta com 40 consultoras e também revende pelo site

A publicitária Ismariane Zanetti, 45, desenhou com cuidado cada etapa do seu negócio, a marca de lingeries MoveOn Intimates, antes de lançá-lo, em fevereiro de 2017. A empresa trabalha com venda direta pelo site ou por meio de representantes, todas mulheres, que viram uma oportunidade de se inserir em um mercado essencialmente feminino. “É difícil tirar uma ideia do papel. Já tive vários outros planos de negócios. Então não pensei muito quando veio esse primeiro insight. O negócio está planejado, mas a meta sempre foi colocar em prática logo”, conta Ismariane.

“É difícil tirar uma ideia do papel. Já tive vários outros planos de negócios. Então não pensei muito quando veio esse primeiro insight.” Ismariane Zanetti

Ela começou fazendo testes, colocando algumas peças nas mãos de vendedoras para ver se funcionava. Deu certo: hoje, são cerca de 40 consultoras revendendo as peças da MoveOn em cidades como São Paulo, Jundiaí, Itupeva e Brasília. O que move esse desejo de criar é uma vontade que a empreendedora ainda não concretizou, mas que já coloca em prática no dia a dia do negócio: falar sobre sexualidade feminina sem tabus. “Quando você se reconecta com seu corpo, acessa conexões cerebrais que deixam sua vida mais feliz, mais inspiradora. Eu vendo lingerie, mas meu sonho é ser um movimento. É uma oportunidade de conversar sobre esses temas”, diz.
 

“Eu vendo lingerie, mas meu sonho é ser um movimento. É uma oportunidade de conversar sobre esses temas.”
Ismariane Zanetti

Empreendedorismo feminino

Hoje, ela propõe encontros entre as mulheres que trabalham com a marca, onde são debatidos assuntos como empreendedorismo, independência financeira e, é claro, sexualidade. O objetivo é criar uma rede na qual as consultoras se sintam parte do negócio e passem a investir nas próprias carreiras.
 
“Temos uma consultora que, além de vender as peças, abriu uma empresa de organização de eventos. Ela se sentiu confiante o suficiente para tocar outro lado da vida profissional. É um passo muito importante”, afirma Ismariane.
 
Outro debate frequente dentro da empresa é a gestão financeira das consultoras. “Estima-se que 70% das mulheres que trabalham com venda direta sofram com inadimplência”, observa Ismariane, que orienta as revendedoras a utilizarem a tecnologia para regularizar as entradas e saídas.
 
“A tecnologia é sem dúvida uma aliada. Sistemas como o QuickBooks, por exemplo, tem tudo a ver com o negócio e ajudam na gestão financeira”, diz.
 

“A tecnologia é sem dúvida uma aliada. Sistemas como o QuickBooks, por exemplo, tem tudo a ver com o negócio e ajudam na gestão financeira.”
Ismariane Zanetti

O QuickBooks é um sistema que permite um controle financeiro do negócio, via aplicativo ou computador. Para quem trabalha com vendas diretas, o acesso remoto, assim como a sincronização de contatos dos clientes facilita muito o dia a dia das vendas. As vendedoras conseguem visualizar sua situação financeira de forma rápida, com os relatórios customizáveis do sistema.
 
Para Ismariane, o medo de empreender foi transformado no desejo de ganhar escala nas vendas. Ela lembra dos desafios do início, mas quer comemorar cada pequena vitória com perseverança e foco em fazer a empresa crescer. “No comecinho, precisa ter coragem, né? A gente não sabe de tudo, a gente erra, mas quando tenho um resultado positivo, sei que devo continuar”, diz, com empolgação.