Paixão pela pescaria inspira amigos a montarem o próprio negócio

Sócios detectaram no Distrito Federal um mercado aquático promissor e montaram a Náutica Brasília

A paixão pelas águas fez os amigos Alan Gomes de Oliveira, Francisco Erivan da Rocha e Pasqual Augusto buscarem uma nova forma de empreender em Brasília. Pescadores por hobby, identificaram uma possibilidade de negócio na área aquática.

O início, porém, não foi fácil. Primeiro, apostaram em um curso de segurança para quem já tinha carteira de habilitação em barcos, lanchas e motoaquáticas. Mas você imagina quantos alunos apareceram quando a empresa saiu do papel? Nenhum. “A gente queria montar um curso para evitar acidentes, mas os alunos não vieram”, lamenta Alan.

A primeira turma vazia fez os sócios virarem os olhos para o outro lado do negócio, dando o pontapé inicial para a Náutica Brasília, que dá cursos de arrais amador (desportista náutico) e motonauta (condutor de motoaquática). É uma espécie de autoescola das águas. “Apareceu gente querendo se habilitar para dirigir embarcações. Então começamos a correr atrás de toda a certificação da Marinha para poder levar isso adiante”, conta.

“Brasília é a maior frota náutica do Brasil, proporcionalmente. E a terceira maior em número de embarcações. É uma frota enorme comparando com outros estados. Vimos um potencial enorme”

Alan Gomes de Oliveira

Para Alan, a maior dificuldade dos sócios foi correr atrás da papelada para deixar tudo dentro das exigências e conseguir pôr o negócio de pé. Ele lembra que foi preciso começar do zero, pois não tinham muita ideia de como era esse mercado. Mas não se arrepende. “Brasília é a maior frota náutica do Brasil, proporcionalmente. E a terceira maior em número de embarcações. Vimos um potencial enorme. Aqui as pessoas têm um poder aquisitivo grande. É um mercado superaquecido”, afirma.

Em seus cursos, a Náutica Brasília oferece quatro horas de aula teórica e oito horas de aula prática para preparar os alunos para a prova de arrais amador. Nas 12 horas, eles aprendem desde a legislação até noções de sobrevivência na água. Com cinco anos, a empresa forma por mês cerca de 30 alunos, com um ticket médio individual de R$ 980.

Para dar conta de toda a gestão financeira da empresa, há cerca de dois anos os sócios decidiram utilizar o QuickBooks. Alan recorda que ele foi instalado após detectarem a necessidade de um sistema online, que fosse intuitivo e de fácil acesso. “A gente usa usa para dar baixas, fazer a conciliação, recebimentos e controlar os mensalistas. O que antes a gente fazia manualmente com planilhas agora resolvemos muito facilmente”, afirma Alan, que descobriu o QuickBooks em uma feira de negócios.

"O QuickBooks mostra a solidez da empresa de forma mais efetiva para buscarmos um sócio investidor"
Alan Gomes de Oliveira

O sócio conta com a ajuda do sistema para planejar os próximos passos da Náutica Brasília. Atualmente com uma lancha e um jet ski para as aulas, a ideia é fazer o negócio crescer ainda mais. Os relatórios e o planejamento realizados no QuickBooks trazem mais segurança na hora de planejar os meses a seguir. “O sistema mostra a solidez da empresa de forma mais efetiva para buscarmos um sócio investidor”, garante.

"Já temos em média 3 mil alunos formados e somos a maior escola Náutica do Centro Oeste. Estamos com muita expectativa para este ano"
Alan Gomes de Oliveira

Enquanto isso a meta é fortalecer cada vez mais a Náutica Brasília. “Já temos em média 3 mil alunos formados e somos a maior escola do Centro-Oeste. Estamos com muita expectativa para este ano”, ressalta.