Educador físico conta como driblou a crise ao abrir seu primeiro negócio

Ricardo Passer comanda estúdio de pilates na zona norte paulista e usa sistema online de gestão financeira para manter a clientela fiel e as contas em dia

Se empreender já é desafiador, imagine a situação do educador físico Ricardo Passer, de 59 anos, que encarou a empreitada em dose dupla. Quando abriu o Studio 4 Meditação em Movimento, na zona norte de São Paulo, em 2013, ele não tinha experiência, e o Brasil dava os primeiros sinais de crise econômica. Mas, com uma estratégia que envolveu paciência, parcerias e esforço de divulgação, superou as dificuldades.

A ideia nasceu quando Passer ouviu de um amigo e de uma prima que se daria bem com pilates, método desenvolvido na década de 1920 pelo alemão Joseph Pilates e que tem como bases a respiração e a força abdominal para execução dos exercícios. Ele aceitou o conselho e buscou formação. “Procurei o pilates como aluno e me apaixonei. O único defeito da técnica é que ela vicia”, brinca.

O aprendiz se transformou em mestre. Com passagens por academias e por colégios da capital paulista no currículo, o professor decidiu que era hora de ter seu próprio negócio.

"Montei o estúdio em 2013 e nunca tinha empreendido. Teve o processo de adaptação e fiquei dois meses sem alunos. Mas superamos as dificuldades e hoje estamos aqui."
Ricardo Passer

O começo, porém, não foi fácil. Nos meses em que passou sem clientes, com os equipamentos já à disposição, resolveu praticar e aperfeiçoar as técnicas de ensino. Para manter o orçamento, ainda acumulava segundo e terceiro turnos de trabalho nos colégios. Até que veio o estalo: “Precisava estar no estúdio. Se algum cliente em potencial batesse na porta, eu tinha de estar disponível”, conta.

Assim, enfrentou a crise. Passer começou a fazer panfletagem da empresa, buscou parcerias com as antigas escolas onde trabalhou e confiou no boca a boca. Aos poucos, os interessados chegaram, e cada vez mais. O desafio de Ricardo passou ser organizar a gestão do seu negócio.

O hábito de anotar tudo em papéis ou mesmo em planilhas não foi suficiente para manter o controle financeiro. Passer procurava por uma solução onde conseguisse integrar todas as movimentações da empresa. Em uma rede social, viu o anúncio do QuickBooks e passou a adotá-lo como sistema online de gestão financeira. Ali, Passer faz o registro de entradas e saídas de caixa, cadastra clientes e fornecedores, produz relatórios financeiros etc.

“O QuickBooks impulsiona meu negócio porque traz facilidade para a gestão financeira.”
Ricardo Passer

Para ele, a grande vantagem está em organizar as informações dos alunos. “Além do controle financeiro, uso o QuickBooks para recordar os aniversários de clientes. Isso ajuda a fidelizá-los, pois criamos uma relação de proximidade”, diz.

A estratégia vem dando certo. Se ficou sem clientes nos primeiros meses, agora a empresa conta com 22 alunos matriculados. Motivado por esse aumento, Passer sonha com a expansão do negócio. “Montei o estúdio quando o país entrou em crise. Muita gente está passando por dificuldades, mas não quero ficar estagnado. Eu sou a maior prova de que o pilates funciona e vou levar isso adiante. Quero aumentar o tamanho do espaço e estudar a possibilidade de contratar um funcionário”, projeta.

“Quero aumentar o tamanho do espaço e estudar a possibilidade de contratar um funcionário.”
Ricardo Passer