Música

20 de julho de 2018

Jovens artistas interpretam O Messias no encerramento do 4° canto em Trancoso

Obra-prima de Georg Friedrich Händel (1685-1759) – autor alemão naturalizado inglês –, o oratório barroco O Messias será entoado por 40 jovens de todo o País no fim da quarta edição da Academia Canto em Trancoso, evento anual que acontece no litoral baiano.

A apresentação deste sábado (21), às 18h30, no Teatro L’Occitane – que também receberá a Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro – é mais um fruto da parceria entre o Mozarteum Brasileiro e a Chorakademie Lübeck, da Alemanha, uma das mais reconhecidas organizações corais do mundo. Desde 2015, o trabalho de lapidação de talentos da instituição alemã reverbera em território nacional.

O atual grupo de bolsistas foi selecionado previamente entre 166 inscritos, vindos de 14 Estados brasileiros. Contemplados com transporte aéreo e terrestre, hospedagem e alimentação, eles assistiram durante uma semana a aulas gratuitas de interpretação e técnica vocal, sob orientação da mezzo-soprano eslovaca Lucia Duchonova e do barítono holandês Marcel Boone. A direção artística é do maestro alemão Rolf Beck, fundador da Chorakademie e considerado um expert na regência do canto coral.

“Já regi O Messias mais de 60 vezes pelo mundo, auxiliando jovens a descobrir como interpretar a música de Händel em suas mais diversas direções. Espero surpresas positivas, pois o Canto em Trancoso já se consolidou como um palco para talentos acima da média”, projeta Beck. Fiel à premissa histórica de contribuir com o processo e aprimoramento de artistas em formação, o Mozarteum ainda levará os alunos que mais se destacarem para um período de estudos na sede da parceira internacional, em Lübeck.

“Nosso caminho em Trancoso é o da integração. Queremos abrir perspectivas para os jovens estudantes de música. São famílias que costumam investir muito tempo e dinheiro para formar seus filhos, mas sofrem ao vê-los com dificuldades para dar prosseguimento à carreira, devido ao número reduzido de orquestras em atividade”, comenta Sabine Lovatelli, presidente do Mozarteum Brasileiro.

Desafio

O programa da Academia Canto em Trancoso é escolhido com um ano de antecedência e serve de parâmetro não só para a elaboração do conteúdo das aulas, mas também para a complexa estrutura que envolve cada edição. Em O Messias, entre solistas, coro e equipe de produção, serão 141 profissionais em ação, incluindo a Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro.

De São Paulo, onde está sediado, o Mozarteum executa uma operação logística minuciosa para se certificar de que tudo estará a contento a 1,6 mil quilômetros de distância. “Nada pode ser deixado para trás nos caminhões, principalmente em se tratando de partituras e instrumentos, itens muito difíceis de serem encontrados na região de Trancoso”, comenta Isabel Arruga, gerente de planejamento, operação e logística artística da instituição.

Outro desafio é a recepção aos bolsistas. Vindos de diversas localidades, eles desembarcam no mesmo dia, em diferentes horários. O traslado pela cidade também requer precauções. “Temos rotas alternativas para dias de chuva, pois o acesso ao teatro se dá por estrada de terra. Buscamos sempre o conforto deles, pois os dias de ensaios e aulas são bem intensos”, acrescenta.

Ver comentários